Qual a importância das embalagens na logística?

Em uma operação, todos os fatores têm o seu nível de importância e deve-se trabalhá-los com seriedade, mesmo parecendo o contrário. Neste ponto, também entra a questão da embalagem na logística.

Não se pode encarar essa etapa da operação apenas como o ato de envolver a mercadoria em qualquer tipo de material. Existem diversos tipos de embalagens, que variam de acordo com sua necessidade.

Por isso, neste artigo vamos abordar os tipos de embalagem, como deve ser feita a sua escolha e como ela é importante para o sucesso da operação como um todo. Acompanhe os tópicos abaixo:

  • Para que serve a embalagem?
  • Tipos de embalagens
  • Materiais utilizados na confecção de embalagens
  • A embalagem também pode ser estratégica

 

Para que servem as embalagens?

Embalar um produto para transporte não é apenas coloca-lo dentro de uma caixa ou saco plástico. A função da embalagem na logística é muito maior do que a de um simples invólucro.

O primeiro ponto a levar em consideração no que se refere à embalagem é que ela tem um papel primordial para garantir que a mercadoria chegue ao seu destino sem nenhuma avaria.

Além disso, a escolha correta também facilita o manuseio da mercadoria, tanto na armazenagem quanto dentro do veículo que fará o transporte da carga até o seu destino.

Também é através da dela que podemos visualizar informações sobre os produtos contidos em seu interior e que ajudam em várias etapas da operação logística.

E, não se engane, a impressão que o consumidor terá da sua marca também pode ser influenciada pelo tipo de embalagem que a sua empresa utiliza para acomodar seus produtos.

 

Tipos de embalagens

Hoje em dia, a logística trabalha com diversos tipos de produtos. Então, seria entranho e extremamente errado utilizar apenas um tipo de embalagem. Por isso, para algumas situações, existem embalagens específicas.

Os principais tipos de embalagem utilizados na operação logística em suas diversas funções são:

Primária

A embalagem primária é aquela que está em contato direto com o produto e que faz parte da sua identidade visual. Como exemplo, podemos citar embalagem de bolachas, do arroz, de um bombom.

Secundária

A embalagem secundária envolve a embalagem primária, principalmente para unitizar mercadorias e facilitar o seu manuseio. É o caso de vários sabonetes em barra, que podem ser agrupados em um único pacote.

Terciária

A embalagem terciária acomoda a mercadoria que está envolvida pela embalagem secundária e é utilizada para facilitar o transporte. Então, vários sacos de arroz podem ser embalados juntos.

Ainda podemos citar um quarto tipo de embalagem, que ajudam a organizar o transporte da mercadoria em embalagem terciária. O palete está incluso nessa categoria.

Já o quinto tipo pode acomodar todas as embalagens descritas acima e também é utilizada para fazer o transporte da mercadoria por longas distâncias, como o contêiner.

 

Materiais utilizados na confecção de embalagens

Pode-se utilizar vários materiais para produzir a embalagem na logística, mas é bom ficar atento a este ponto para ter a certeza de que a empresa está fazendo a escolha correta.

Papelão, plástico, isopor e madeira são os tipos mais comuns de material utilizado para fabricar embalagens. O papelão está incluso em quase todas as ocasiões, principalmente no que se refere ao transporte da carga.

Utiliza-se bastante plástico nas embalagens secundárias e o isopor, além de dar uma segurança maior para itens delicados – como eletrodomésticos – também consegue manter a temperatura de produtos perecíveis.

A madeira é muito comum no transporte de frutas e legumes, pois além de ser resistente a impactos, também facilita a acomodação da carga no veículo de transporte.

 

As embalagens também podem ser estratégicas

Como falamos mais acima, não se deve escolher a embalagem na logística sem critérios. Portanto, é preciso analisar vários pontos importantes, como redução de custo, identidade do produto e até fatores ambientais.

É preciso investir em um material de qualidade que realmente garanta que o produto vai chegar sem avarias ao seu consumidor final. Economizar na embalagem pode significar outros tipos de prejuízo.

Também não adianta produzir uma embalagem espetacular se o atendimento que o seu cliente recebe é de baixa qualidade. É preciso equilibrar todos os fatores.

A consciência ambiental está cada vez mais presente no nosso dia a dia, ademais, os consumidores estão de olho no posicionamento das marcas. É preciso lembrar que a maior parte das embalagens vão para o meio ambiente.

Empresas que enviam embalagens plásticas em excesso, por exemplo, podem não ser bem vistas pelo seu público, já que esse material demora muitos anos para se decompor.

Portanto, podemos ver que a escolha da embalagem correta para o seu negócio envolve muitos detalhes e uma boa assessoria pode facilitar esse processo.

A LMX Logística conta com uma equipe especializada e oferece diversos serviços para manter a qualidade da sua operação, com o melhor custo possível. Entre em contato conosco!

 

 

Terceirização logística: dicas para ter sucesso nela

O mundo passa por mudanças o tempo todo e as empresas têm que usá-las ao seu favor. As que desenvolvem a atividade logística, hoje, podem contar com os serviços do operador logístico.

A saída para muitas necessidades do negócio tem sido a terceirização do serviço logístico, através de uma empresa especializada que tem mais condições de ampliar a área de atendimento ou fazer atividades específicas.

Para saber como a sua empresa deve proceder na contratação de uma terceirizada, basta continuar a leitura deste artigo e acompanhar os tópicos abaixo:

  • Por que terceirizar sua logística?
  • Vantagens da terceirização
  • Cuidados ao contratar uma empresa
  • Fique atento à comunicação interna

 

Por que terceirizar sua logística?

Em um primeiro momento, você pode até achar que sua empresa pode realizar todo o serviço logístico por conta própria. Mas, com o passar do tempo, verá que não é bem assim.

Diante de algumas necessidades do mercado e com o aumento do nível de exigência dos clientes, recorrer à contratação de um operador logístico pode garantir a competitividade do seu negócio.

A principal atividade relacionada à logística e que mais requer esse tipo de serviço é a parte de transporte. Também é a etapa do trabalho que mais exige recurso financeiro da empresa.

A terceirização desse serviço proporciona maior agilidade, consegue executar a entrega das mercadorias em um tempo bem mais viável e ainda proporciona uma redução de custo da operação para a empresa contratante.

 

Vantagens da terceirização logística

Quando se fala em contratar uma empresa terceirizada para cuidar dos serviços logísticos do seu negócio, isso não se resume apenas ao transporte. Isso pode incluir a armazenagem, distribuição, entre outras coisas.

Um bom operador logístico conta com uma estrutura já estabelecida, fez investimentos em equipamentos, tecnologia e promoveu o treinamento de todos os seus profissionais.

Assim, a empresa contratante se vê livre de despesas dessa natureza e até pode substituir os custos fixos por um custo variável. Dependendo da dinâmica da contratação, ela pode fazer o pagamento apenas quando vender.

No que diz respeito às estratégias de negócio, ao terceirizar os serviços de logística, a empresa contratante pode focar mais no seu core business e planejar maneiras de alavancar vendas e fidelizar clientes.

 

Terceirização logística: cuidados ao contratar uma empresa 

Apesar de ser uma ótima alternativa para ficar livre de boa parte das dores de cabeça presentes em uma operação, a contratação de um operador logístico não pode ser feita de qualquer forma.

É preciso tomar alguns cuidados para o que poderia ser uma estratégia de sucesso, não se transformar em um verdadeiro prejuízo. Por isso, é bom usar de toda a cautela para fazer a escolha certa.

Assim, o primeiro passo é fazer uma pesquisa no mercado e listar as possibilidades que parecem mais promissoras, no que diz respeito às prestadoras desse tipo de serviço.

Se o valor cobrado pela empresa está dentro da realidade financeira do seu negócio, além disso, atende às suas necessidades da operação logística, você também já pode dar mais um passo para uma contratação de sucesso.

Porém, uma atitude imprescindível antes de fechar qualquer negócio é procurar saber mais sobre o histórico da empresa. Verifique se não há casos negativos com relação aos seus serviços.

Se for possível, converse com outros clientes que já tiveram ou ainda tem contratos em vigor. A impressão deles sobre o operador pode ser a peça-chave para fazer a melhor escolha.

 

Fique atento à comunicação interna

Depois de assinado o contrato com a empresa que se encaixou às necessidades do seu negócio, é hora de começar a executar as atividades logísticas.

No entanto, o fato de que outra empresa está responsável pela sua operação não significa que os gestores não precisam estar em constante contato com a terceirizada.

Na terceirização logística, bem como em outros segmentos, é preciso que as duas empresas saibam se comunicar de forma eficiente. Assim, pode-se evitar inúmeros problemas.

A LMX Logística pode ajudar a sua empresa. Entre em contato conosco!

 

pilha de moedas em cima de uma mesa

Você sabe a diferença entre gastos e custos logísticos?

Para quem trabalha na área logística e não tem o costume de lidar de forma direta com a parte contábil do negócio, este assunto pode causar muita confusão quando ao se tratar dos termos custos e gastos.

Os dois termos possuem suma importância para a gestão de recursos, pois evitam gastos desnecessários e falta de investimento em operações deficitárias.

Tenha ciência dos gastos do seu negócio

Os gastos são valores que asseguram o bom funcionamento da empresa. Tudo que for valor monetário usado para produção de serviços ou de bens, é considerado gasto. Como, por exemplo, custos, investimentos e despesas.

De forma mais simples, são movimentações de dinheiro que podem envolver ativos da empresa ou não. Dentro dos gastos, existem dois tipos.

  • GASTOS FIXOS

Gastos fixos são os que estarão todo mês constando na lista. Ou seja, eles não variam. Exemplos:

  • Aluguel do estabelecimento;
  • Salário e tarifas dos profissionais envolvidos;
  • Depreciação de veículos e equipamentos;
  • Seguro;
  • Impostos como IPVA, DPVAT e Taxa de Licenciamento.
  • GASTOS VARIÁVEIS

Ligados à quantidade de produto fabricado e ao número de serviços prestados. Eles não estavam dentro do planejado.

O que são custos?

Os custos são os gastos ligados com a produção e venda de bens ou serviços. Os custos são pontuais e definem os ativos financeiros dedicados à execução de uma ou mais operações.

Dentro dos custos existem os diretos e indiretos.

CUSTOS DIRETOS

Os custos diretos são todos os custos conectados aos veículos, ou seja, estão relacionados ao tempo de utilização deles e à distância percorrida (Km rodado). Podemos citar:

  • remuneração de capital (custo de oportunidade);
  • depreciação dos veículos;
  • combustível, pneus e lubrificantes;
  • lavagens e graxas; e
  • manutenção.
CUSTOS INDIRETOS

No setor de transporte, os custos indiretos não estão diretamente relacionados à operação dos veículos, dessa forma, não variam com a quilometragem rodada. Alguns deles são:

  • encargos e salários gastos, por exemplo, com profissionais do setor de venda, administrativo e comercial, ou seja, colaboradores que não estão em contato direto com a produção;
  • despesas necessárias para o funcionamento do negócio, como impostos, aluguel, entre outros;
  • água, telefone e energia elétrica;
  • serviços de terceiros;
  • impostos e taxas.

Equipe LMX

Veja também:

Vendas no varejo norte-americano têm baixo crescimento e preços de importação caem

Após semana com preço estável, Petrobras volta a baixar gasolina

A Petrobras anunciou a redução no preço da gasolina comercializada em suas refinarias, a partir desta terça (24). O combustível será vendido por R$ 1,9426 por litro. Este valor é 0,94% menor que o cobrado desde o último reajuste, que aconteceu em 18 de julho.

A estatal mantinha o preço do litro da gasolina em R$ 1,9611 desde o dia 18 de julho.

Depois de chegar a R$ 2,0527 por litro no dia 12 de julho, o combustível teve quatro reduções de preço. E agora voltou a um patamar semelhante ao registrado em 30 de junho, quando era comercializado a R$ 1,9486.

Diesel

O diesel segue congelado em R$ 2,0316, em decorrência de acordo do governo com os caminhoneiros para encerrar a greve de maio. Desde o ano passado, o sistema de formação de preços de combustíveis da Petrobras prevê reajustes quase diários.  Estes são referenciados no mercado internacional de petróleo e no câmbio.

Fonte: Agência Brasil

Equipe LMX

Veja também:

14º Seminário Logismat focará os temas da logística e do universo 4.0