O que é estrutura porta paletes e quais suas vantagens?

Todo armazém precisa de formas eficazes de organização, para que os materiais sejam distribuídos com segurança e eficiência. Inegavelmente, uma alternativa extremamente eficaz, nessa demanda, é o porta paletes.

Esse sistema de organização consegue proporcionar benefícios que vão desde o acesso e separação mais rápida dos produtos, até a capacidade de melhorar significativamente o aproveitamento do ambiente de estocagem.

Dessa forma, os porta paletes se apresentam como uma solução para armazéns que precisam mantér os produtos organizados, mesmo em grande variedade, facilitando a movimentação.

Para que você entenda como os porta paletes podem fazer a diferença na organização de armazéns, trouxemos suas características, funcionalidades e outros aspectos que irão te ajudar a usá-los a seu favor.

 

O que são porta paletes?

Como o próprio nome já sugere, os porta paletes (ou porta-pallets) são estruturas que comportam os paletes. Os paletes, por sua vez, são tablados que conseguem agrupar produtos formando uma estrutura.

Porta paletes são uma das maneiras mais eficientes de se organizar um estoque, pois possibilitam que a armazenagem de produtos ocorra de maneira mais fácil e ágil. Eles são uma ótima solução de logística para quem tem que lidar com muitas mercadorias, já que a grande quantidade de produtos exige mais organização e otimização.

Toda empresa que recebe ou expede produtos em cargas paletizadas pode utilizar os porta paletes. Essas estruturas são, em geral, feitas de aço e são destinadas à armazenagem de produtos em grande quantidade. Elas podem aguentar desde pequenos volumes até cargas paletizadas de 2.500 kg. Os paletes com as cargas são, normalmente, colocados na estrutura porta paletes com a utilização de empilhadeiras.

Essa solução logística é amplamente utilizada em supermercados atacadistas ou varejistas, montadoras de veículo, galpões de transportadoras e alfândega.

 

Quais as finalidades

Nos estoques que fazem o uso de empilhadeiras, os porta paletes facilitam a rotina, diminuindo a necessidade de mão de obra manual para a movimentação de produtos.

A organização com essa ferramenta também busca diminuir o tempo de carregamento e descargas de mercadorias.

Outra finalidade é a redução de espaços de estocagem, melhorando a utilização de ambientes e mitigando danos causados aos produtos.

Essas melhorias podem propiciar agilidade e otimização nos processos de armazenagem.

Contudo, existem alguns tipos de porta paletes e cada um possui sua finalidade. Veja agora quais são.

 

Tipos de porta paletes

A facilidade na distribuição e na altura das estantes é uma das maiores vantagens desse sistema. Isso pode ser determinado de acordo com a característica do armazém.

Por conta dessas características distintas em cada ambiente, o sistema porta paletes possui variações. São elas:

  • Porta paletes convencional

Esse tipo de sistema é montado a partir de uma estrutura própria. São direcionados para produtos de alta rotatividade.

Nesse sistema, são instaladas longarinas ajustáveis nos espaços, permitindo a estocagem de paletes em várias alturas, com uma estrutura preparada para suportar qualquer peso.

Permite ainda o armazenamento de palete por profundidade, utilizando a fixação de montantes com fixado metálico no piso.

Com essa estrutura dá para manter o para-choque de segurança fixado ao lado dos montantes de corredores, evitando que haja choque com a empilhadeira.

  • Porta paletes drive-in

Nesse tipo, as estruturas têm a finalidade de verticalizar as cargas paletizadas com acumulação.  

A movimentação é feita por empilhadeiras e o sistema é ideal para trabalhar com produtos iguais em grandes quantidades, armazenados em lotes.

A estrutura drive-in oferece maior rentabilidade, elimina corredores entre as estantes e proporciona controle rigoroso nas entradas e saídas.

  • Porta paletes drive-through

Esse tipo se distingue do drive-in pela utilização de empilhadeira.

Essa estrutura conta com lastres e rodas de movimentação para os paletes. Isso ajuda na movimentação.

 

Benefícios de sua utilização

Independente do tipo, a utilização de porta paletes proporciona muitos benefícios na armazenagem de mercadorias, otimizando os processos. Entre os principais benefícios, podemos destacar:

  • Agilidade na logística: a organização de maneira eficaz reduz as tarefas no ambiente, proporcionando agilidade na entrada e saída de produtos.
  • Segurança: a estrutura proporcionada por porta paletes diminui os riscos de desmoronamento dos produtos. Esses tipos de acidentes precisam ser evitados a todo custo, para prevenir funcionários e manter a qualidade das mercadorias.
  • Aparência do estoque: a estética de um ambiente bem organizado contribui com a padronização do local e dos processos da empresa.
  • Organização: o sistema de porta paletes melhora não só o acesso às mercadorias, mas a capacidade de estocagem.

Agora que você entendeu como os porta paletes fazem a diferença na organização de mercadorias, deve estar se perguntando: como começar?

Uma excelente opção é entregar essa demanda para quem realmente entende. Por isso, terceirizar essa implementação com uma empresa de soluções logísticas, é o primeiro passo.

Especializada em operações customizadas, a LMX Logística oferece soluções eficientes e personalizadas em Logística Integrada através de diferentes modelos de gestão da cadeia de suprimentos.

Então, não perca tempo! Fale com um de nossos consultores para informações completas sobre nossos serviços, clicando aqui.

porta paletes

Quais são os principais custos logísticos e como otimizá-los?

Uma boa gestão de custos logísticos garante que a operação ocorrerá de forma eficiente ao mesmo tempo em que possibilita lucros satisfatórios e destaca a empresa no mercado.

Essa estratégia é praticamente obrigatória, principalmente quando falamos em e-commerce, já que os clientes estão cada vez mais exigentes. Isso significa que a empresa deve saber usar seus recursos com sabedoria para otimizar seus custos e aumentar sua margem de lucro.

Acompanhe este artigo e entenda de que forma essa gestão deve ser feita e qual a sua importância para o sucesso da operação logística. 

 

Entendendo os custos logísticos

Os custos logísticos se referem a todos os processos executados na operação, dentro da cadeia de produção. Ele inclui desde o recebimento de insumos pelo fornecedor até a entrega do produto ao cliente.

Qualquer gasto feito para executar todas essas etapas do processo pode ser entendido como um custo. Alguns deles pesam mais no orçamento da empresa, por isso a gestão de custos logísticos é necessária.

É ela que vai garantir que a operação funcione em toda a sua capacidade, administrando os custos para que a empresa tenha uma boa lucratividade.

Muitos empreendedores, principalmente os que atuam no comércio eletrônico, optam pela terceirização logística. Ela envolve a contratação de uma empresa parceira que cuidará de determinados processos do seu negócio, como armazenagem, separação, expedição e distribuição das mercadorias, aumentando a qualidade e eficiência do serviço oferecido. Assim, além de reduzir custos, a empresa pode focar em seu core business, sem a distração com processos complexos que não são sua especialidade. 

 

A importância da gestão de custos na operação

A gestão de custos logísticos não serve apenas para cortar gastos. Até porque, esse tipo de ação não deve ser feita sem o conhecimento necessário sobre todas as atividades executadas durante a operação.

A redução de custos desnecessários pode estar diretamente ligada a um aumento da lucratividade da empresa, além de permitir uma precificação mais assertiva dos seus produtos.

Também é através de uma boa gestão que as finanças da empresa podem ser organizadas. Não há como aumentar os lucros se o departamento financeiro não tem conhecimento do quanto entra ou sai do seu caixa.

Além de tudo, quando os processos são reformulados para que diminuam os custos, há um consequente aumento da produtividade. Dessa forma, a qualidade do serviço também fica mais elevada.

 

Como fazer a gestão de custos logísticos

Para iniciar a gestão de custos logísticos, primeiro é preciso categorizar os custos e analisá-los individualmente. Através da estruturação desses custos, vai ser possível identificar a participação de cada um nos gastos da empresa.

As categorias podem ser divididas da seguinte forma:

  • Suprimentos: inclui o valor pago aos fornecedores por cada produto adquirido;
  • Gestão de estoque: inclui a armazenagem, o estoque e identifica o custo causado pela falta do produto, avarias em embalagens, entre outros;
  • Transporte: está relacionado à entrega e os documentos exigidos para a tarefa;
  • Gestão da frota: diz respeito à compra de veículos e a sua manutenção;
  • Manutenção: identifica gastos com mão de obra, aluguel de espaço, inventário e impostos;
  • Custos financeiros: contemplam o investimento feito para a melhoria dos processos na operação.

Muitas empresas também utilizam a curva ABC para identificar os custos logísticos de seus produtos. Ela é bastante usada por indústrias e mercado varejista, mas também serve para o e-commerce.

Essa metodologia pode facilitar a identificação de gastos desnecessários originados no estoque, como o excesso de mercadorias paradas, danificadas ou fora do prazo de validade.

Outro ponto importante para a gestão de custos na operação logística é a metodologia de custeio. É preciso conhecê-la a fundo para que possa definir o seu preço de venda.

Isso pode ser feito por meio do custeio por absorção, onde os recursos da prestação de serviços são oriundos dos custos fixos e variáveis. Cada gasto é relacionado às respectivas demandas.

Já o custeio variável consiste na soma do custo variável, dividido por cada demanda, que dá origem ao custo final. E os custos fixos são identificados como resultado do exercício.

Por fim, o custeio padrão define um custo antecipadamente e serve como referência para auxiliar no controle de gastos. 

 

A terceirização na gestão de custos

Como mencionamos, terceirizar os serviços através de um operador logístico pode ser uma boa opção para a redução de custos com a operação. Pois, todos os recursos para a execução das atividades viriam da empresa contratada.

O empreendedor não precisa se preocupar com a contratação de mais mão-de-obra ou aluguel de espaço físico, sem contar na aquisição de uma frota para realizar o transporte ou sistemas de gerenciamento logístico, como WMS. Assim, ele pode focar apenas nas estratégias de seu negócio.

Se você quer reduzir os custos de sua operação logística mantendo um alto padrão de qualidade, a LMX Logística é a empresa certa para esse serviço. Gerenciamos toda a cadeia de suprimentos, armazenagem, controle de estoque e distribuição e nos tornamos uma extensão de seu departamento de logística, dando a liberdade e flexibilidade que sua empresa precisa para atingir a qualidade máxima nos serviços prestados. Entre em contato!

custos logísticos

Como fazer um inventário logístico eficiente

Controlar bem o estoque de uma empresa pode evitar que haja excesso de mercadorias paradas ou falta de produtos que tenham grande demanda de venda. Esse processo deve ser feito através de um inventário logístico.

Ele é essencial para identificar as quantidades de cada produto e a sua localização. Além de ser importante para o planejamento e otimização de algumas etapas da operação logística.

Para saber como realizar o inventário de uma maneira mais eficiente, utilizando as ferramentas e técnicas adequadas, siga na leitura deste artigo.

 

O que é um inventário logístico e por que fazê-lo?

Apesar de ser um processo relativamente simples, nem todas as empresas fazem o inventário logístico da forma como deveriam. Quando o processo é feito de forma inadequada, pode interferir em vários outros fatores dentro da empresa.

Essa atividade da operação logística consiste em organizar uma lista com todos os produtos consumidos ou comercializados pela empresa. Com ela em mãos, tudo deve ser identificado, classificado e contabilizado.

Todas as etapas do inventário logístico devem ser padronizadas, a fim de garantir um maior controle do processo e, consequentemente, diminuir a possibilidade de divergências na contagem.

A padronização do inventário é estabelecida pelas Normas Brasileiras de Contabilidade que, por sua vez, foram regulamentadas pelo Conselho Federal de Contabilidade.

O inventário logístico também serve para identificar produtos com avarias, fora do prazo de validade, obsoletos ou perdas causadas por furtos e incidentes. Também possibilita a identificação de desvios nas mercadorias.

Ao final de cada inventário, um relatório é confeccionado contendo informações de diferenças no estoque e suas possíveis causas, além de sugerir estratégias que evitem esse tipo de problema.

 

Tipos de inventário

Há diferentes formas de realizar um inventário logístico e todas levam em consideração a periodicidade. Eles podem ser anuais, mensais ou permanentes.

Uma determinação da Legislação Brasileira obriga as empresas a apresentarem um inventário, geralmente no final do ano. Porém, realizá-lo apenas uma vez no ano, não é muito indicado. O controle de estoque é prejudicado e, quanto mais tempo a empresa passa sem fazer a contagem das mercadorias, menos condições terá de lidar com possíveis prejuízos causados pelos problemas mencionados acima.

Outras empresas optam por realizar inventários logísticos periódicos, que podem ser mensais, trimestrais ou de acordo com a dinâmica do negócio e o tipo de produto que está em seu estoque.

Para que a contagem aconteça sem grandes interferências, ela geralmente é realizada em períodos do dia em que não haja muita movimentação.

Já o inventário permanente é um reflexo de inovações tecnológicas e é possibilitado pela integração com softwares como WMS (Warehouse Management System ou Sistema de Gerenciamento de Armazém). Ele permite uma automação logística, bem como atualização de todas as informações de estoque em tempo real.

Quando a gestão da operação logística é feita através desse tipo de sistema os reflexos positivos também são vistos em outros setores da empresa, como os responsáveis por compras ou vendas.

O setor de compras pode visualizar com mais clareza bem como rapidez a necessidade de comprar mais determinado produto ou diminuir a quantidade. Também é possível planejar estratégias de vendas e promoções sazonais.

 

Como fazer um inventário logístico

Antes de começar o inventário logístico, decerto é preciso estabelecer de que forma ele será feito e qual método utilizar. Também é necessário definir se as mercadorias serão contabilizadas por unidade, volume, peso, entre outros.

A curva ABC é bastante utilizada para a realização de inventário, pois define a rotatividade das mercadorias no estoque. Mas, a classificação também pode ser feita de outras maneiras.

Definido o método de contagem, a etapa seguinte consiste em informar à equipe quais os setores do armazém que serão inventariados bem como a forma que as ferramentas devem ser utilizadas. Tudo isso pode otimizar tempo.

Todos os materiais presentes no estoque devem ser descritos em detalhes, incluindo a natureza dos produtos, volume, quantidade, entre outros dados importantes. Quanto mais informações forem levantadas e descritas, mais fácil será localizar e acompanhar a movimentação dos produtos.

Contudo, esse esforço será em vão se as informações registradas não forem periodicamente atualizadas. Manter a listagem do inventário sempre atualizada é a melhor maneira de garantir que o fluxo logístico não será afetado.

É importante também ser minucioso e contar itens individualmente, sem se deixar enganar pelo que está descrito nas embalagens. Se uma caixa indica ter 30 canetas em seu interior, o ideal é abri-la e conferir a quantidade. Pode ter havido engano do fornecedor no momento de embalar.

Como mencionad0, o inventário logístico deve ser feito em horários sem ou com o mínimo possível de movimentação. Além disso, é aconselhável, inclusive, que clientes e fornecedores sejam avisados sobre uma pausa no atendimento.

Se forem usados equipamentos para auxiliarem no processo de contagem bem como algum documento para registro das informações, eles devem ser preparados com antecedência.

Todas as medidas que forem possíveis para dinamizar essa operação com a menor possibilidade de erros nas informações, devem ser utilizadas da forma adequada.

Quando o inventário logístico é feito com determinada periodicidade, os impactos positivos são inúmeros. Pois, é possível ter um controle de estoque eficiente e reduzir os custos com mercadorias perdidas ou avariadas.

Prejuízos causados por furtos também são evitados, além de melhorias na organização do armazém, no processo de compras e no planejamento estratégico da empresa. Por isso, deve ser visto com um processo indispensável.

De forma resumida, os principais passos do inventário logístico são:

  • Determine a metodologia
  • Prepare a equipe e avise os clientes e fornecedores
  • Descreva itens com detalhes
  • Mantenha os registros atualizados
  • Tenha um espaço organizado e com estrutura adequada
  • Informatize a gestão de inventário
  • Encontre o momento adequado para fazer o inventário logístico

Saber qual o estoque real disponível na empresa é essencial para o trabalho das equipes de compras e vendas. No entanto, realizar um inventário logístico eficiente demanda know-how, tempo e atenção. Terceirize sua operação com a LMX Logística que cuidamos de todos os processos de armazenagem, separação, expedição e controle de estoque para que sua empresa possa focar em seu core business. Entre em contato conosco e fale com um de nossos consultores!

inventário logístico

Quais são as 4 etapas do processo de armazenagem logística?

Houve um tempo em que os profissionais entendiam a armazenagem logística como o simples ato de alocar mercadorias em um armazém. Isso, sem nenhum critério ou metodologia para a organização do processo.

Porém, com o passar do tempo e a evolução cada vez mais rápida dos processos, foi percebido que essa etapa da operação também poderia interferir diretamente no prazo de entrega, além de outros fatores.

E é exatamente sobre isso que falaremos aqui neste artigo. 

Recebendo as mercadorias na armazenagem logística

Ao receber as mercadorias é preciso verificar alguns pontos que podem interferir negativamente no processo logístico. Portanto, essa primeira etapa da armazenagem logística deve ser feita com atenção.

Neste momento é preciso conferir a quantidade dos produtos recebidos, se existe algum produto avariado e até identificar se vieram mercadorias em excesso ou em falta.

Dependendo do tipo de produto que está sendo entregue, essa etapa pode sofrer algumas modificações. Mas, de um modo geral, a entrega é feita por um caminhão que descarrega todas as mercadorias nas docas.

Para obter um controle maior sobre essa atividade e diminuir a possibilidade de erro, é indicado que a empresa desenvolva um checklist de acordo com a sua dinâmica de trabalho.

Ainda no recebimento, todos os itens devem ser identificados. Atualmente, é feito por um código de barras, que permite a leitura de todas as informações através de uma tecnologia que vem sendo utilizada na gestão de armazém.

Estocagem das mercadorias 

Dentro do armazém, existem os endereços, que nada mais são do que os locais destinados para cada mercadoria. E é através deles que se faz a armazenagem dos produtos.

Esta etapa ocorre logo após o recebimento, conferência e identificação de toda a mercadoria. Dependendo da forma como é feita, pode até interferir nos prazos de entrega e promover atrasos.

Na armazenagem logística, a forma como o armazém é estruturado decerto pode otimizar o processo de recebimento da mercadoria pelo cliente final. Por isso, é preciso que os gestores pensem nisso de forma estratégica.

Ao chegar na prateleira, o item é considerado como saldo de estoque e o seu endereço pode ser conferido através do código de barras que foi colocado na mercadoria.

De acordo com o tipo de produto e a dinâmica do negócio, essa etapa pode utilizar o modelo de Drive in e Drive Thru ou até mesmo autoportante ou push dinâmico, além de outros.

Processo de separação dos produtos na armazenagem logística

A identificação das mercadorias, na etapa de recebimento, também vai facilitar o trabalho de separação dos pedidos. Ao fazer a leitura do código de barras pelo sistema de gestão, o operador saberá qual produto deve ser separado.

O picking, como essa etapa também é conhecida na armazenagem logística, tem um papel muito relevante dentro do processo. Pois, é a partir dele que a entrega para o cliente começa efetivamente.

Ao acontecer qualquer tipo de erro durante essa fase, isso pode implicar em uma demora não esperada para que a mercadoria chegue ao seu local de destino. E é claro que isso não é algo desejável.

Para que isso não aconteça, alguns sistemas podem otimizar a separação e diminuir o tempo em que é realizada a tarefa, assim como também minimiza a ocorrência de erros.

Em estoques que utilizam a metodologia do “último a entrar, primeiro a sair” (LIFO), decerto o Flow Rack é um dos sistemas mais recomendados. Nele, são utilizadas roldanas e trilhos, onde não há a necessidade de um operador.

Expedição e entrega dos itens

A expedição é a etapa que finaliza o processo de armazenagem logística e onde ocorre a conferência e entrega da mercadoria para a transportadora responsável.

A entrega pode ser de responsabilidade da empresa que realiza a armazenagem ou executada através da terceirização de um operador logístico, que também realiza essa atividade.

A LMX Logística realiza as mais diversas atividades para que a sua operação logística possa ocorrer sem problemas, com o tempo otimizado e possibilitando uma redução dos seus custos. Entre em contato conosco.

logística de bens de consumo perecíveis

Gestão de compras: entenda como realizar esse processo de forma mais eficiente

Quando falamos de compra, não adianta ter a quantia disponível, também é necessário saber comprar corretamente e de forma estratégica para evitar erros como: excesso ou ausência de produtos em estoque, matéria-prima de baixa qualidade, entre outros.

Tudo isso fará você desperdiçar o seu orçamento, ter gastos desnecessários e não conseguir se manter competitivo no mercado. 

Para resolver esses e outros problemas você vai precisar ter uma boa gestão de compras. Mas você sabe como fazer isso? É exatamente o que vamos te ensinar neste artigo! 

O que é gestão de compras?

Afinal de contas, o que é a gestão de compras? Como o próprio nome indica, ela é o processo responsável pela obtenção de materiais que vão servir para a realizar um serviço ou para fabricar um produto. 

Porém, o que muita gente se engana, é achar que a gestão de comprar está relacionada apenas a compra de determinado produto.

O profissional responsável pela gestão de compras, vai precisar desempenhar as seguintes funções:

  • Realizar os pedidos;
  • Escolher os fornecedores de cada produto;
  • Gerir os termos e condições de cada compra;
  • Anotar os preços para comparações e bases históricas;
  • Controlar quais são as mercadorias necessárias para os serviços e produtos ofertados;
  • Calcular as despesas do estoque, levando em consideração possíveis perdas de produtos;
  • Fazer a organização dos produtos de acordo com suas condições de armazenamento e destino;
  • Fazer o planejamento das compras, levando em consideração qualidade, quantidade, tempo e entrega;

Fazer uma boa gestão de compras, é garantir que o seu negócio tenha todos os mantimentos necessários para que você possa realizar os seus serviços com tranquilidade.

E, caso você não faça uma boa gestão de compras, o resultado pode ser com produtos estragados no estoque, prejuízos que poderiam ser evitados, falta de produtos que tem muita procura, entre outras.

Como fazer uma gestão eficiente?

Para fazer uma boa gestão de compras, você deve levar em conta os seguintes fatores:

     1. Fazer um planejamento das compras

Fazer um planejamento adequado é o que vai determinar uma boa gestão de compras. 

É por isso que na sua empresa você vai precisar ter um profissional responsável por essa área, ele vai analisar o estoque, as vendas, estabelecer um bom relacionamento com os fornecedores, negociar prazos, entre outras coisas. 

O setor de compras, também é responsável por identificar quais são os insumos necessários para a fabricação do seu produto e/ou serviço.

O setor de compras, também precisa saber sobre as sazonalidades dos produtos, o que vende mais, o que vende menos, quando diminuir ou aumentar o preço e até mesmo quando planejar promoções e queimas de estoque.

     2. Tenha bons fornecedores

O que seria ter um bom fornecedor? Bom pra começar ele precisa ter essas três qualidades: menor preço, menor prazo e ser de confiança.

Primeiro você vai precisar negociar o preço, para isso você terá que fazer vários orçamentos para ter noção de qual é o preço do mercado e assim decidir de quem comprar.

Depois, você precisa negociar o prazo. O seu fornecedor precisa conseguir entregar o produto no tempo necessário. Para isso, você vai precisar criar uma relação de confiança com o seu fornecedor, para que você sempre consiga ter os seus produtos com o preço e o prazo desejado e assim as suas vendas sejam garantidas.

     3. Tenha um sistema de controle de estoque

Atualmente, o que tem facilitado bastante a gestão de compras, é o auxílio da tecnologia. Com software e planilhas, você consegue automatizar muitas coisas da sua rotina, isso vai te ajudar a ter as informações com facilidade na hora que você precisar tomar as decisões de compra.

Ter um sistema de gestão automatizado, vai deixar a sua rotina mais prática, independente do tipo de empresa que você tenha. O software vai trazer agilidade e praticidade para os seus gestores no controle das compras, vendas, no estoque, no setor financeiro e até mesmo para emitir notas fiscais. 

Ter um sistema de gestão de compras vai te ajudar a otimizar tempo para planejar melhor o futuro de seu negócio com muito mais tranquilidade.

     4. Avalie suas vendas

Para poder avaliar as suas vendas, você vai precisar:

  • Saber se a sua empresa sofre de sazonalidade;
  • Verificar a entrada e saída de materiais ou produtos;
  • Saber qual é o total de compras e vendas feitas no mês;
  • Ter a média do valor pago por produto e para o fornecedor;
  • Analisar o histórico de vendas, para verificar as compras por período;
  • Saber qual é a quantidade mínima de produtos necessários no seu estoque.

É por esses motivos que você precisa investir em ter uma gestão de compras eficiente, isso vai alavancar o seu negócio.

E se precisar de ajuda, pode contar com a LMX Logística como seu parceiro, temos uma equipe de profissionais da área, extremamente qualificados, apenas esperando o seu contato!

gestão de compras

Bens de consumo perecíveis: quais os cuidados logísticos necessários?

Quem trabalha com logística, sabe que a distribuição dos produtos e a embalagem são fatores muito importantes quando pensamos em transportá-los. Uma boa embalagem é o que vai garantir que a mercadoria fique segura e que o espaço seja melhor aproveitado. E quando tratamos de logística de bens de consumo perecíveis, o processo é ainda mais difícil.

Para gerir esse processo é necessário levar em consideração uma série de fatores, como as condições de armazenamento, o acondicionamento e transporte, além das restrições da legislação.

Isso tudo, acaba tornando essa uma operação mais complexa e cheia de adversidades encontradas durante o processo.

Você deve estar se perguntando como cuidar de tudo isso, não é mesmo? Pois é exatamente isso que vamos te ensinar! 

Como funciona a logística dos bens de consumo perecíveis?

Os bens de consumo a que estamos nos referindo neste texto, são os bens perecíveis, ou seja, aqueles que possuem data de validade.

Esses produtos são de fácil deterioração e por isso podem estragar com facilidade, caso não tenham um bom armazenamento. Os produtos dessa categoria mais comuns são os alimentos.

Tendo isso em vista, faz-se necessário evitar a deterioração destes produtos nos processos de transporte e armazenagem, através do conhecimento das restrições de perecibilidade de cada item. Isso, inclusive, é o que a Organização Mundial da Saúde (OMS) chama de responsabilidade da segurança dos alimentos.

Para a preservação dos alimentos, existem dois fatores que devem ser analisados:

  • físicos: como empilhar e armazenar, como manusear, impactos durante o transporte, tipos de embalagem;
  • biológicos e químicos: temperatura durante o transporte e o armazenamento, riscos de contaminação, controle de umidade, ventilação, entre outras.

Quais são os cuidados necessários?

Quando pensamos na logística para bens de consumo perecíveis, existem 3 cuidados que são fundamentais. 

     1. Armazenamento

Por se tratar de um processo que necessita muito manuseio, isso pode acabar aumentando as chances de estragar o produto.

Para fazer um armazenamento de qualidade, você vai precisar adequar as instalações físicas da sua empresa, como por exemplo os seus equipamentos que devem passar a ser operados por profissionais com experiência, além de terem um sistema antivibração.

Outro detalhe que você também deve se atentar é a estocagem, é necessário que exista espaço entre os produtos, ventilação, temperatura e higiene adequada do espaço, você também precisa organizar o seu estoque para que o produto que tem validade mais próxima, saia primeiro

     2. Acondicionamento

Aqui estamos falando da embalagem. É ela quem vai proteger o produto durante todo o processo, desde o armazenamento até o transporte ao seu destino final.

Existem 5 estágios principais das embalagens:

   1º A embalagem que chega até o consumidor final;

   2º A embalagem que vai proteger o produto primário e aumentar a segurança;

   3º Os contentores que impedem que os produtos fiquem chocando entre si;

   4º Os paletes onde são colocados as caixas que são organizadas para o transporte;

   5º Os contêineres com temperatura apropriada para cada tipo de produto.

     3. Transporte

É nesse processo que o produto fica mais suscetível a danos, devido ao manuseio, clima e possíveis intempéries no trajeto.

Para que você possa ter maior controle e mais garantia de cuidados com o produto, é fundamental levar em conta a escolha de uma boa transportadora para fazer esse serviço.

Além disso, é a transportadora quem deve se preocupar com o embarque e desembarque das mercadorias e como o transporte será feito para cada tipo de mercadoria.

Benefícios dos cuidados logísticos com bens de consumo perecíveis

Entre os principais benefícios temos:

     1. Evita falhas e prejuízos na produção;

     2. Melhora a estruturação dos processos;

     3. Mais eficiência e agilidade em cada setor;

     4. Reduz os riscos de acidentes dos colaboradores;

     5. Permite o armazenamento adequado de insumos e reduz as perdas de materiais;

     6. Reduz os custos graças ao bom relacionamento com fornecedores e contratos de fidelização;

     7. Aumenta a produtividade através da cooperação entre os setores, bem como pelo maior controle dos processos;

Quando você entende que os cuidados logísticos com os bens de consumo perecíveis devem ser vistos de forma integrada e envolvendo todo o processo produtivo, as melhorias passam a acontecer. 

Principalmente, quando você passa a usar a tecnologia como sua aliada, permitindo que ela traga mais automação, agilidade e eficiência nas suas operações.

A logística de bens de consumo perecíveis deve ser pensada e repensada, afinal de contas trata-se de produtos muito sensíveis e perecíveis. Ter um processo logístico integrado pode diminuir, e muito, os seus problemas.

E se você está enfrentando dificuldades na logística da sua empresa, e pensando em contratar um operador logístico, a LMX Logística é a sua parceira ideal, temos uma equipe extremamente qualificada e que oferece os mais diversos serviços da área. Entre em contato com a gente! 

logística de bens de consumo perecíveis

Entenda como funciona a logística para comércio eletrônico

A logística tem uma relevância sem precedentes quando falamos de e-commerce. Ela está diretamente relacionada com a cadeia de processos que envolvem desde o controle de estoque até o envio do produto ou serviço comprado. Então, se você quer ter um negócio de destaque no mercado, que ofereça uma experiência de compra diferenciada para os seus clientes, você com certeza vai precisar investir em uma boa logística no seu comércio eletrônico.

 

A logística para comércio eletrônico

Muitos donos de e-commerce consideram a logística a etapa mais complexa de todo o processo. Principalmente porque ela, diferente de todas as outras etapas que são virtuais, é uma etapa física. 

De nada adianta você ter um site super bem elaborado, com um design elegante e um layout agradável, se na hora que o cliente encomendar o produto ele não chegar ou tiver algum problema durante o envio. 

Cada vez mais as pessoas se sentem confortáveis em consumir produtos e serviços que são ofertados online, seja pela comodidade de comprar no conforto do sofá, pela variedade de produtos ou pelos preços mais baixos.

Porém, como o e-commerce vem crescendo e amadurecendo rapidamente, o público também está em busca de entregas mais eficientes, rápidas e baratas. 

Por isso, para que a logística do seu comércio eletrônico funcione, você precisa:

     1. Fazer uma boa seleção de fornecedores;

     2. Fazer o recebimento e a conferência dos materiais;

     3. Ter um bom armazenamento;

     4. Ter um bom controle do estoque;

     5. Fazer a preparação dos pedidos (picking & packing);

     6. Ter uma boa comunicação com Correios ou transportadoras;

     7. Ter uma embalagem de qualidade;

     8. Checar e ter sempre em dia a sua documentação e nota fiscal;

     9. Fazer o rastreamento dos pedidos enviados;

     10. Ter um bom serviço de pós-venda;

     11. Qualificar a sua logística reversa (trocas e devoluções).​

Como fazer a logística do seu comércio eletrônico funcionar?

Para explicar como fazer a logística para seu comércio eletrônico funcionar de maneira eficiente, separamos 3 dicas preciosas.

1ª O seu estoque precisa estar sempre organizado

Para evitar que o seu cliente busque por um produto que você não tem mais ou que algum produto fique sobrando em seu estoque, você vai precisar fazer uma gestão cuidadosa das mercadorias.

Defina qual será a estratégia de controle de estoque que você fará. Determine quais serão os seus critérios de reposição, como eles serão mantidos e o intervalo entre a realização do pedido e a entrega do produto no estoque (load time). Também vale ter uma estratégia para a queima de estoque acumulado, promoções são bem vindas nesse momento.

2ª Saiba a melhor forma de transportar o seu produto

Na hora de optar em fazer a entrega dos seus produtos por uma transportadora terceirizada ou pelos Correios, você deve levar em consideração o tamanho e o tipo do seu produto. Se você vende um produto pesado ou volumoso, terceirizar para uma transportadora pode ser mais vantajoso do que os Correios, que cobram altas taxas para esse tipo de item. 

Outro fator que você deve avaliar, é o prazo para a entrega e se existe algum seguro em caso de extravio. Além disso, não se esqueça que cada produto tem uma embalagem adequada para protegê-lo, então quando for escolher, faça vários testes em condições extremas, para testar a resistência da embalagem e verificar se ela realmente protege o seu produto.

3ª Tenha um bom canal de comunicação com os seus clientes

Quanto mais informações você fornecer ao seu cliente, menos problemas você deve enfrentar. Sabemos que imprevistos acontecem e é por isso que você deve estar preparado para eles. Tenha uma equipe bem treinada para atender o seu cliente, fazer o rastreamento do produto, entrar em contato com os fornecedores e operadores logísticos, caso ocorra alguma emergência.

 

Tenha uma plataforma eficiente

Com os e-commerces investindo cada vez mais em plataformas tecnológicas, hoje em dia, as empresas conseguem voltar sua atenção completamente para a gestão do negócio, mesmo tendo o alto volume de dados e informações que envolvem as vendas online.

Para que você possa ter bons resultados e fidelizar os seus clientes, escolher uma boa plataforma de e-commerce é fundamental para que você possa visualizar os passos que você terá que dar durante as etapas.

Outro ponto importante, é assegurar que o sistema de gestão do seu e-commerce seja integrado com o sistema de operação logística, para que ele consiga fazer a integração do seu estoque físico com o virtual, facilitando assim o processo. Além disso, também vale a pena usar uma plataforma de gestão empresarial (EPI) para ter todas as informações bem organizadas e alinhadas.

Como o processo de logística para comércio eletrônico exige tempo e dinheiro, alguns proprietários optam pela terceirização desse setor.

 

Terceirize a logística do seu comércio eletrônico

Ter uma logística interna pode custar bastante caro, além de demandar tempo e atenção para atividades que não são o core da sua empresa. Contratar um operador logístico, além de aperfeiçoar e aumentar a qualidade de seus serviços, também diminui o tempo de entrega do produto ao consumidor final.

Um operador logístico especializado em e-commerce otimiza a distribuição das mercadorias, através do gerenciamento de toda a cadeia de suprimentos. Para isso, são dispõe, além de equipamentos e mão de obra qualificada, de softwares específicos para controlar as informações de transporte e armazenagem, como o TMS e o WMS.

Se você busca um parceiro que se torne uma extensão de seu departamento de logística, oferecendo a liberdade e flexibilidade que sua empresa precisa para atingir a qualidade máxima nos serviços prestados, traga suas operações para a LMX Logística. Temos uma equipe especializada que oferece os mais diversos serviços na área. Entre em contato conosco!

 

logística para comércio eletrônico

Quais são os principais indicadores de desempenho logístico (KPI)?

Para que uma operação não apresente falhas, é primordial fazer uso dos indicadores de desempenho logístico, os KPIs. Através deles, é possível avaliar se o funcionamento de cada setor está de acordo com as metas.

Ao saber o que não está funcionando corretamente na operação logística, a empresa pode tomar providências que melhorem os processos e evitem prejuízos diversos.

Para saber o que são e como funcionam esses indicadores, continue a leitura deste artigo. 

 

O que é um indicador de desempenho?

A sigla KPI significa Key Performance Indicator, em português Indicadores-Chave de Desempenho. Eles oferecem métricas que são utilizadas para avaliar se a empresa está conseguindo alcançar suas metas.

Esse tipo de avaliação é a mais indicada para que a empresa visualize quais os seus pontos fortes e fracos, além de auxiliar no planejamento de estratégias para melhorar os processos.

A gestão da empresa também é beneficiada com esses indicadores, uma vez que seus líderes conseguem tomar decisões mais conscientes e de acordo com as reais necessidades da empresa.

Os indicadores de desempenho logístico conseguem mostrar se os processos da operação estão sendo realizados de forma padronizada e se o atendimento está dentro da qualidade esperada.

 

Como o KPI é utilizado na logística?

A otimização dos processos na operação logística é um objetivo que deve ser constantemente buscado e os indicadores de desempenho logístico são bastante eficientes para alcançá-la.

Cada etapa da operação logística deve passar por um indicador até que todas elas estejam funcionando com o máximo de eficiência possível. Qualquer erro encontrado deve ser corrigido através de estratégias específicas.

Quando falamos de logística, os KPIs auxiliam no aumento da qualidade do trabalho desenvolvido e na diminuição de erros. Também apontam o que falta para o alcance de metas.

A gestão dos processos logísticos é feita de maneira menos complicada, já que não tem que lidar com os problemas que foram identificados pelo indicador de desempenho.

Após a avaliação, os dados atuais também podem ser comparados com os que foram contabilizados em anos ou períodos anteriores. Isso serve de parâmetro para estipular novas metas e reorganizar processos.

Os KPIs também possibilitam uma melhoria na comunicação entre os setores, evitando divergências de informações. Esse tipo de situação costuma interferir na otimização da operação.

 

Alguns indicadores de desempenho

Na logística existem alguns indicadores de desempenho que precisam ser utilizados, a fim de manter o bom desempenho dos processos, mantendo os custos baixos e a qualidade do serviço.

Falando em qualidade, este deve ser o ponto forte quando o assunto é entrega de mercadorias. É através desse KPI que o número de entregas realizadas dentro do prazo pode ser visualizado, bem como os atrasos.

É possível fazer essa análise classificando as entregas por região. Dessa forma, com o decorrer do tempo, a empresa pode identificar os lugares em que é mais viável ter um centro de distribuição.

Outro KPI importante para a operação está relacionado à redução de custos logísticos. Isso é feito através de uma análise de despesas com frete, desperdício de produtos, trocas e devoluções feitas pelos clientes.

Os prejuízos causados por perdas e extravios de mercadoria também devem passar por indicadores de desempenho logístico. Assim, as causas são identificadas e podem ser resolvidas com maior rapidez.

O tempo que o cliente espera pela sua mercadoria é um fator que merece atenção, pois quanto mais ele espera, menores são as chances dele realizar uma nova compra.

Portanto, todo o ciclo logístico deve ser analisado por KPIs a fim de identificar se há algum tipo de problema que aumente esse tempo de espera para o cliente.

Por fim, as divergências de estoque também devem ser analisadas por KPI. Diferenças entre as quantidades registradas e o que se encontra no armazém, além de indicarem perdas, também podem causar falta de material.

 

Fazendo a análise dos KPIs

Para fazer esse processo em sua empresa, o primeiro passo é escolher a etapa da operação logística que será analisada. Logo após, é indicado que os gestores listem as necessidades mais urgentes.

Em seguida, os dados referentes ao processo devem ser reunidos. Qualquer informação sobre a atividade é importante para facilitar a identificação dos possíveis problemas.

Depois de reunir todos os indicadores de desempenho, já é possível traçar novas metas e, claro, divulgar as informações e os objetivos a serem alcançados para todos os colaboradores.

Como podemos ver, os indicadores de desempenho logístico devem ser usados pelas empresas, para que elas consigam visualizar os pontos que precisam ser melhorados.

Se você quer melhorar a performance da sua operação logística, a LMX Logística possui uma equipe especializada e oferece os mais diversos serviços na área. Entre em contato conosco!

indicadores de desempenho logístico

Armazenagem logística: 4 etapas para esse processo

Quais são as 4 etapas do processo de armazenagem logística?

Houve um tempo em que os profissionais entendiam a armazenagem logística como o simples ato de alocar mercadorias em um armazém. Isso, sem nenhum critério ou metodologia para a organização do processo.

Porém, com o passar do tempo e a evolução cada vez mais rápida dos processos, foi percebido que essa etapa da operação também poderia interferir diretamente no prazo de entrega, além de outros fatores.

E é exatamente sobre isso que falaremos aqui neste artigo. Por isso, continue a leitura e acompanhe a descrição das etapas de armazenagem, através dos tópicos abaixo:

  • Recebendo as mercadorias
  • Estocagem das mercadorias
  • Processo de separação de produtos
  • Expedição e entrega dos itens

Recebendo as mercadorias na armazenagem logística

Ao receber as mercadorias é preciso verificar alguns pontos que podem interferir negativamente no processo logístico. Portanto, essa primeira etapa da armazenagem logística deve ser feita com atenção.

Neste momento é preciso conferir a quantidade dos produtos recebidos, se existe algum produto avariado e até identificar se vieram mercadorias em excesso ou em falta.

Dependendo do tipo de produto que está sendo entregue, essa etapa pode sofrer algumas modificações. Mas, de um modo geral, a entrega é feita por um caminhão que descarrega todas as mercadorias nas docas.

Para obter um controle maior sobre essa atividade e diminuir a possibilidade de erro, é indicado que a empresa desenvolva um checklist de acordo com a sua dinâmica de trabalho.

Ainda no recebimento, todos os itens devem ser identificados. Atualmente, é feito por um código de barras, que permite a leitura de todas as informações através de uma tecnologia que vem sendo utilizada na gestão de armazém.

Estocagem das mercadorias 

Dentro do armazém, existem os endereços, que nada mais são do que os locais destinados para cada mercadoria. E é através deles que se faz a armazenagem dos produtos.

Esta etapa ocorre logo após o recebimento, conferência e identificação de toda a mercadoria. Dependendo da forma como é feita, pode até interferir nos prazos de entrega e promover atrasos.

Na armazenagem logística, a forma como o armazém é estruturado decerto pode otimizar o processo de recebimento da mercadoria pelo cliente final. Por isso, é preciso que os gestores pensem nisso de forma estratégica.

Ao chegar na prateleira, o item é considerado como saldo de estoque e o seu endereço pode ser conferido através do código de barras que foi colocado na mercadoria.

De acordo com o tipo de produto e a dinâmica do negócio, essa etapa pode utilizar o modelo de Drive in e Drive Thru ou até mesmo autoportante ou push dinâmico, além de outros.

Processo de separação dos produtos na armazenagem logística

A identificação das mercadorias, na etapa de recebimento, também vai facilitar o trabalho de separação dos pedidos. Ao fazer a leitura do código de barras pelo sistema de gestão, o operador saberá qual produto deve ser separado.

O picking, como essa etapa também é conhecida na armazenagem logística, tem um papel muito relevante dentro do processo. Pois, é a partir dele que a entrega para o cliente começa efetivamente.

Ao acontecer qualquer tipo de erro durante essa fase, isso pode implicar em uma demora não esperada para que a mercadoria chegue ao seu local de destino. E é claro que isso não é algo desejável.

Para que isso não aconteça, alguns sistemas podem otimizar a separação e diminuir o tempo em que é realizada a tarefa, assim como também minimiza a ocorrência de erros.

Em estoques que utilizam a metodologia do “último a entrar, primeiro a sair” (LIFO), decerto o Flow Rack é um dos sistemas mais recomendados. Nele, são utilizadas roldanas e trilhos, onde não há a necessidade de um operador.

Expedição e entrega dos itens

A expedição é a etapa que finaliza o processo de armazenagem logística e onde ocorre a conferência e entrega da mercadoria para a transportadora responsável.

A entrega pode ser de responsabilidade da empresa que realiza a armazenagem ou executada através da terceirização de um operador logístico, que também realiza essa atividade.

A LMX Logística realiza as mais diversas atividades para que a sua operação logística possa ocorrer sem problemas, com o tempo otimizado e possibilitando uma redução dos seus custos. Entre em contato conosco