O que preciso saber sobre cargas perigosas?

O Brasil foi o primeiro país da América Latina a criar uma legislação só sobre o transporte de cargas perigosas, segundo o Departamento de Estradas de Rodagens (DER).

O documento nasceu em 1983 e com o objetivo de poupar o meio ambiente e a população de problemas relacionados aos combustíveis, resíduos industriais e produtos inflamáveis.

Para evita esse tipo de dor de cabeça, existem alguns procedimentos de segurança que podem ser implementados durante a fase de armazenamento, embalagem, manuseio e transporte desse tipo de produto. São eles:

  • Sinalização adequada

Os avanços industriais sempre trazem alguma nova tecnologia para a sociedade. E dentro do ambiente logístico isso não é diferente. Estes avanços resultaram em componentes eficientes para o processo produtivo.

Entretanto, existem riscos ao mexer com materiais perigosos. Existem alguns tipos de classificação de substâncias:

  • gases;
  • material radioativo;
  • sólidos inflamáveis;
  • líquidos inflamáveis;
  • substâncias corrosivas;
  • substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos;
  • substâncias tóxicas e substâncias infectantes;

Por isso, veículos utilizados para transportar esses materiais químicos devem conter o rótulo de risco e o painel de segurança para o conhecimento de todos.

  • Treinamento dos condutores

Para manter a segurança de seus funcionários e das pessoas nas ruas, recrutar motoristas capacitados de lidarem com cargas perigosas em veículos é de extrema importância. Com isso, muitos acidentes serão evitados.

O curso de Movimentação de Produtos Perigosos (MOPP) é obrigatório nesse caso, pois os condutores são instruídos sobre os cuidados com a mercadoria e os principais riscos da operação.

Além disso, é preciso tomar algumas outras iniciativas, como treinamentos e atividades de reciclagem nos casos de caminhoneiros com certificação vencida.

  • Planejamento da viagem

Recomenda-se que este tipo de produtos químicos seja transportado durante o dia. Essa prioridade garante que o motorista esteja em boas condições físicas para dirigir entre as jornadas de trabalho.

É importante que o percurso do motorista evite áreas populosas, reservas ambientais e reservatórios de água. A mesma regra deve ser aplicada aos locais de parada, uma vez que o risco de contaminação para certos materiais é elevado.

  • Separação dos produtos no armazém

Os materiais radioativos, por exemplo, são mantidos em câmaras completamente blindadas para prevenir o seu contato com o ambiente externo.

É recomendado que produtos perigosos sejam armazenados em espaços protegidos, com a estrutura específica para o cumprimento das normas de segurança de manuseio e acondicionamento.

A utilização de equipamentos de proteção individual (EPI) é uma exigência sobre os profissionais da área. Para aumentar a proteção durante a operação logística, devem ser providenciados estacionamentos exclusivos para veículos transportadores de produtos perigosos.

  • Acondicionamento nos veículos

A forma de acondicionamento no veículo também impacta a segurança do armazenamento. Uma carga acomodada de forma inadequada pode comprometer a estabilidade do caminhão e resultar em acidentes graves.

Essa situação é mais frequente com caminhões-tanque, pois a súbita movimentação do líquido pode causar a perda de controle e colisões. Por esse motivo, ao embarcar a carga, deve-se avaliar a condição das rodovias e planejar formas de contornar os potenciais obstáculos.

Portanto, o controle rígido do armazenamento de cargas perigosas é fundamental para o cumprimento da regulamentação, além de evitar acidentes nas estradas. O cuidado com esse armazenamento é importante para a integridade das empresas e da sociedade.

Equipe LMX

Veja também:

É fato: investimentos chineses podem ser grande chance para o Brasil