Logística reversa: projeto coleta 80 toneladas de vidro em um mês no DF

O programa de reciclagem Glass is Good coletou 80 toneladas de vidro no Distrito Federal em 30 dias. No primeiro mês de operação, o projeto de uma fabricante de bebidas recolheu, gratuitamente, os vidros usados por 40 estabelecimentos. O material é levado para usinas de reciclagem em São Paulo, onde passa por processo para voltar ao mercado.

Desde janeiro deste ano, os comerciantes que produzirem mais de 120 litros de lixo por dia devem dar destinação própria aos próprios dejetos. Essa quantidade para de ser responsabilidade do Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Isso acontece por conta da Lei nº 5.610/2016, conhecida como Lei dos Grandes Geradores de Lixo.

90 toneladas de vidro eram retiradas pela SLU das ruas todos os dias antes da lei. Atualmente, não há estimativa sobre o volume, já que o vidro está sendo descartado com a coleta convencional.

O Glass is Good – Vidro é Bom, em português – existe desde 2010, começando no estado de São Paulo. Desde então, registram-se mais de 21 mil toneladas de vidro recicladas. Isso é o equivalente a mais de 43 milhões de garrafas de 1 litro de vodka.

“Em muitas praças, o vidro ainda é tratado como rejeito. Isto é, um material que não pode ser recuperado. No entanto, o vidro pode ser reciclado infinitamente. O projeto combina benefícios ambientais, evitando o descarte indevido das garrafas de vidro, e benefícios sociais”, afirma Daniela De Fiori, diretora de relações corporativas.

O problema do vidro

O trabalho de logística reversa realizado pelo programa Glass is Good é gratuito. Bares e restaurantes que quiserem ter os vidros recolhidos devem entrar em contato com o Instituto Ecozinha, que atua junto à empresa responsável pelo projeto.

Antes da legislação, apenas 1,9% das 2,7 mil toneladas de vidro recolhidas mensalmente pelo SLU são recicladas. O resto ia parar nos aterros sanitários. Desde que a lei entrou em vigor, 848 empresas se cadastraram no SLU para fazer a própria destinação dos resíduos.

Fonte: Correio Braziliense

Equipe LMX

Veja também: 

Porto de Vitória tem a maior movimentação de granéis líquidos do ano