Movimentação dos portos e terminais cresce 1%

Além disso, atingiu 276,8 milhões de toneladas no segundo trimestre.

A movimentação de instalações portuárias, portos públicos e privados cresceu em 1% no segundo trimestre de 2018. Isso comparando com o mesmo período do ano passado, somando 276,8 milhões de toneladas movimentadas.

Este número expressa o aumento de 2,6 milhões de toneladas na comparação entre os dois períodos. Estes dados estão registrados no Boletim Informativo Aquaviário do 2º Trimestre de 2018. Documento produzido pela Gerência de Estatística e Avaliação de Desempenho, da ANTAQ – ele foi divulgado na última quinta-feira (16/08).

Houve um aumento de 2% na movimentação dos portos públicos em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Este valor representa um ganho expressivo se comparado à evolução dos segundos trimestre entre 2016 e 2017 – quando houve decréscimo de 0,2%.

A notícia também é positiva para os portos privados! Houve crescimento de 0,5% (comparando com o mesmo período de 2017).

“Esse crescimento reflete a resposta positiva que o setor continua apresentando ao longo do tempo, apesar de oscilações visíveis. Demonstrando que está apto a atender às demandas do mercado brasileiro. Seja nos movimentos internos (cabotagem e vias interiores) ou mesmo nas exportações e importações”, explicou o gerente de Estatística e Avaliação de Desempenho da ANTAQ, Fernando Serra.

Neste trimestre, os portos privados movimentaram 181,6 milhões de toneladas. O que representou 65,6% das cargas movimentadas no conjunto das instalações portuárias do país. Já os portos públicos movimentaram 95,2 milhões de toneladas, representando participação de 34,4% da movimentação total das instalações portuárias brasileiras.

Maiores movimentações

– Minério de ferro, com 98,7 milhões de toneladas e aumento de 1,8% em relação a igual período do ano anterior;

– Petróleo e derivados (48,3 milhões de toneladas, mas decréscimo de 1,7%);

– E soja (40 milhões de toneladas e crescimento de 11,9%);

– Os contêineres foram a quarta carga mais movimentada no período, com 26,2 milhões de toneladas e aumento de 1,8%;

– E o carvão mineral a quinta carga, com 7,1 milhões de toneladas, o que significou aumento expressivo de 30,1%.

Segundo Boletim da ANTAQ, mesmo com dificuldades de escoamento de mercadorias em maio – por conta da greve dos caminhoneiros -, o total movimentado de cargas de soja e contêineres, nos portos públicos, apresentou aumento de 13,2% e 3,6%.

O grupo petróleo e derivados manteve a atual tendência de crescimento na movimentação dos portos públicos, com ganho de 6,0%. E pasta de celulose cresceu 25%. Já entre as principais mercadorias que apresentaram queda neste trimestre as maiores reduções foram adubos, com -11,2% e açúcar (-32,1%).

Principais portos

Os dez principais portos públicos em movimentação de cargas brutas neste segundo trimestre operaram aproximadamente 82,4 milhões de toneladas. O que correspondeu a 86,5% da movimentação total dos 31 portos organizados que registraram movimento de cargas no período.

Com relação ao Porto de Santos, a movimentação neste segundo trimestre foi de 27,2 milhões de toneladas. Queda de 0,6% em relação a igual período do ano passado. Contêineres e soja lideraram entre as mercadorias movimentadas no trimestre, somando 16,7 milhões de toneladas.

Já nos portos privados, o aumento na movimentação (0,4% em relação ao segundo trimestre de 2017) foi reflexo da maior movimentação de minério de ferro (+1,6%), soja (+10,3%) e carvão mineral (+29,4%). Um dos destaques em relação a esse tipo de instalação foi o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, que, na comparação com o segundo trimestre de 2017, registrou alta de 18,8%, representando incremento de aproximadamente 7,5 milhões de toneladas, sendo 99,3% do total minério de ferro.

Tipos de navegação

A movimentação de cargas de longo curso registrou movimento de 201 milhões de toneladas, queda de 1,4% em comparação ao segundo trimestre de 2017, sendo 35,6 milhões de toneladas de cargas de importação e 165,4 milhões de toneladas de cargas de exportação. A China foi o principal destino das mercadorias brasileiras no período, representando 51,7% das nossas exportações. Já quanto às importações, o principal parceiro comercial são os EUA, responsáveis por 23,1% da movimentação que chega aos portos brasileiros, sendo petróleo e derivados (28,7%) e carvão mineral (22,3%) as principais cargas importadas no trimestre.

A navegação por cabotagem registrou crescimento de 4,5% na movimentação na comparação entre este trimestre e igual período do ano anterior. Esse percentual corresponde a 1,6 milhões de toneladas acrescidas no trimestre, perfazendo um total de 56,7 milhões de toneladas movimentadas. As principais mercadorias movimentadas nesse tipo de navegação neste trimestre foram petróleo e derivados (61,4%), contêineres (11,0%) e bauxita (8,5%).

Na navegação interior, a movimentação portuária correspondeu a 18 milhões de toneladas, representando crescimento de 18,4% no comparativo entre os segundos trimestres de 2017 e 2018. Esse bom desempenho se deveu ao aumento de 10,2% na movimentação de pasta de celulose e de 768,1% na movimentação de carvão mineral, além da boa performance da soja – principal mercadoria operada nesse tipo de navegação – que registrou aumento de 20,3% neste trimestre em relação a igual período de 2017.

Fonte: Portos e Navios

Equipe LMX

Veja também:

Porto reduz embarque, mas mantém liderança no café