Logitech Science: o que os operadores logísticos precisam saber sobre digitalização no supply chain

Inovações tecnológicas chegam para racionalizar as operações e levar agilidade às tomadas de decisão. É preciso, porém, adotar as novidades levando em conta as demandas de cada empresa e ajustar os processos e ferramentas periodicamente

Há muitos anos o setor logístico vem debatendo as inovações e tecnologias que devem ser aplicadas para melhorar as operações.  Agora, porém, é fato: aquele que não adotar o que há de mais moderno e não adequar suas operações estará não um, mas muitos passos atrás de seus concorrentes. Conhecimento e técnicas de vanguarda não são mais diferenciais e sim condições básica para se manter – e não apenas se destacar – no mercado.

E foi isso que o evento Logitech Science apresentou no último dia 22 de maio, em São Paulo. O congresso, que aconteceu durante as feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, no São Paulo Expo, é uma realização da NürnbergMesse Brasil, coorganizado pelo Guia Marítimo, e tem como objetivo servir como palco de debate e apresentação de soluções logísticas. Ele foi concebido para fazer parte de todas as feiras promovidas pela NürnbergMesse Brasil, como os eventos voltados para os setores de varejo e pet, justamente devido à importância da logística nas atividades de todos os  segmentos do mercado.

Durante todo o dia, executivos de diferentes companhias expuseram o que há de mais moderno em termos de inovações e discutiram a importância da digitalização da cadeia de suprimentos, com foco nos segmentos farmacêutico e cosmético. Para o global account management de Life Science & Helthcare da DHL Supply Chain, Thorsten Roggenbuck, a meta hoje é tornar a cadeia de suprimentos cada vez mais eficiente, além de focar em inovações tecnológicas nas operações de transporte e armazenagem. Segundo ele, o cenário no Brasil é promissor e apresenta uma vasta oferta de soluções, uma vez que, apenas em 2017, 250 startups focaram suas ações no setor de saúde.

“É preciso pensar na digitalização do supply chain. Esse será o maior impacto para o crescimento das empresas”, diz Roggenbuck. O executivo conta que nos armazéns, por exemplo, 80% das operações ainda são realizadas manualmente. Além disso, completa, apenas 25% das empresas de logística e transporte contam com estratégias digitais.

Para ele, algumas tendências se destacam, como a automação com robótica e o Big Data. “Essas são ações relevantes para os próximos cinco anos. O supply chain 4.0 é mais flexível e trará mais acuracidade para as operações”, resume.

O diretor de Desenvolvimento de Negócios do Grupo Kion, Marcio Cruz, reforça o que diz o executivo da DHL. “Nosso objetivo é tornar os sistemas mais autônomos , com mais conectividade e mobilidade”, pontua.

Ele também revela que algumas tendências no supply chain já estão claras. Entre elas, destaque para a gestão do estoque com espaços dedicados por canais, o micro-fulfillment – softwares analíticos e inteligência artificial –, a utilização dos pontos de venda como centros de distribuição e a entrega autônoma, com a aplicação de veículos autônomos.

Visão macro

As soluções estão à disposição, mas como lidar com elas? O diretor da consultoria Roland Berguer, Sebastian Feldman, diz que é preciso ser mais ágil para responder rapidamente às mudanças. “Hoje, as decisões são tomadas a todo o momento na cadeia de suprimentos para adaptar as operações”, define.

Feldman considera que o omnichannel é uma das modalidades que mais trazem desafios para a cadeia de suprimentos e a digitalização chega para tornar as ações mais transparentes em todas as etapas. “Integração, automação e análise de dados. Esses são os pontos que devem ser observados para a digitalização se tornar parte do negócio da empresa”, pondera.

O CEO da Serinews Marketing Intelligence, Marco Marcelino, concorda com Feldman, e faz uma ressalta. “É importante avaliar se a transformação digital está alinhada ao negócio da empresa”. Para ele, além de investir em inovação, é fundamental no desenvolvimento de modais mais eficientes. “Tecnologia também demanda direcionar os funcionários certos para as atividades corretas.”

O executivo ainda lembra que alguns aspectos devem ser levados em consideração ao utilizar o Big Data, como não entrar em modismos, utilizar dados segundo a dinâmica do negócio, investir sem pensar nos resultados e pensar na transformação futura e não imediata.

O diretor João Pedro Castelo Branco, da McKinsey &Company, conta que além do cliente interno é fundamental ter um trabalho individualizado com o cliente externo, com ações colaborativas, por exemplo, com os fornecedores. “Atualmente é necessário ter uma visão de toda a cadeia e não apenas nos pontos de gargalo.”

Para o executivo, algumas inovações realmente farão a diferença e trarão resultados palpáveis. Ele cita a automação do planejamento e o machine learning, o planejamento na nuvem e o desenvolvimento de plataformas de inovação. “Com o supply chain 4.0 há um redução entre 65% e 75% nas quebras de atendimento de pedido”, calcula.

Como tendência o diretor cita a uberização do transporte, num primeiro momento regionalizada. Depois disso, ele acredita na expansão do modelo para grandes centros urbanos para posterior desenvolvimento de plataformas que centralizem a oferta do serviço.

Processo contínuo

A Accenure também está de olho nas inovações voltadas ao supply chain e as empresas de logística. A managing director de Supply Chain, Aline Ribeiro, afirma que as ferramentas tecnológicas chegaram para solucionar questões e trazer flexibilidade com baixo custo e mais agilidade. “Pra isso, é importante que as empresas tenham visibilidade”, diz.

Ela explica que o modelo de negócios no supply chain está mudando e hoje existe todo um ecossistema de parceiros para definir o que será efetuado internamente e o que será terceirizado. Isso tem um motivo, segundo a executiva. “A visibilidade detalhada e integrada de toda a cadeia de suprimentos permite ter uma visão desde o fornecedor até a entrega do produto ao cliente final. E empresas excelentes são maduras quanto à redução de custos e nível de serviço.”

Aline chama a atenção para outros pontos. O estoque, por exemplo, deve ser integrado ao ciclo do pedido a fim de proporcionar eficiência ao abastecimento, e a rede de distribuição deve ser multicanal. “Hoje, há segmentação no supply chain, por isso as empresas não conseguem ser eficientes em todos os canais. Já a segmentação foca nas necessidades dos clientes”, frisa. Além disso, completa, o supply chain atual é orientado por serviços.

A designação racional das equipes de trabalho também merece destaque e alguns novos setores são necessários para a correta gestão do supply chain. Configuração, conexão, operação e gestão são os departamentos que, hoje, fazem a diferença numa boa cadeia de suprimentos.

A executiva faz um último lembrete. “As tecnologias não chegam sozinhas. É um processo evolutivo. É preciso criar uma jornada, ter uma visão de longo prazo, mas ajustando os processos periodicamente.”

Fábio Penteado

Fonte: Tecnologística