Capitania dos Portos aprova navegação noturna e maior calado em Paranaguá

O embarque e desembarque de cargas no Porto de Paranaguá deve ganhar mais agilidade e maior capacidade muito em breve. No dia 8 de agosto, a FAEP participou de uma reunião no litoral convocada pela Capitania dos Portos do Paraná. Esta reunião tratou da homologação do aumento do calado de todas as áreas úmidas do Porto. Com isso, a medida do calado passou de 10,60 metros para 10,90 metros (para todas as cargas exceto granéis).

Também foi autorizada a navegação noturna, que até então era proibida. Com isso, além de poder aumentar o volume de cargas, as embarcações poderão operar noite e dia. Gerando rapidez e agilidade nas operações de exportação e importação.

Segundo Nilson Hanke Camargo, representante da FAEP, há oito meses foi realizada uma dragagem de manutenção e aprofundamento que já permitiria o aumento de calado. Porém, a Marinha do Brasil, responsável pela homologação, não havia autorizado esta mudança.

Participantes

Participaram da reunião: integrantes da comunidade portuária, práticos, operadores portuários, representantes do poder público e dos usuários, onde se enquadra a FAEP.

Na ocasião, o comandante da Capitania dos Portos, Germano Teixeira da Silva, alegou a necessidade de segurança máxima por parte da Marinha no tocante ao processo de homologação e informou a todos que este aumento de calado será feito gradualmente, de modo a atenuar qualquer ameaça ou risco na navegação.

Segundo ele, os próximos aumentos serão de 30 em 30 centímetros. Até se chegar à meta de 12,50 metros de calado para cargas gerais. Para as cargas em granéis, a meta é chegar a 13,50 metros de calado nos próximos meses. Com isso, é permitido um maior embarque e desembarque de cargas nos terminais.

“O término da operação de dragagem de aprofundamento, previsto para outubro deste ano, vai possibilitar o acesso de navios de maior capacidade, o agronegócio tem muito a ganhar com isso, pois vai proporcionar a possibilidade de embarcar navios maiores e mais cheios, uma vez que hoje as condições do porto não permitem que muitas embarcações saiam completamente carregadas”, afirma Camargo.

Fonte: Portos e Navios

Equipe LMX

Veja também:

Porto santista movimentou 64,5 milhões de toneladas em 6 meses

Uso de ferrovias na movimentação de cargas aumenta em 21% no Paraná

O uso de ferrovias para movimentar cargas no Porto de Paranaguá cresceu em 21% desde 2012. Este ano, foi registrada a maior quantidade de produtos transportados por trens, de janeiro até maio, no cais paranaense.

No primeiro semestre de 2018, foram contabilizadas 4.876.620 toneladas movimentadas pelos trilhos. A expectativa é de que a participação desse tipo de transporte aumente cada vez mais.

Em maio, o desembarque por trem registrou recordes jamais vistos. Foram descarregadas 1,014 milhão de toneladas de produtos no Porto de Paranaguá via ferrovia. Isso representa 28,1% da movimentação total. Este número marca o melhor momento registrado desde janeiro de 2011.

Já no mês passado, em junho, chegaram por trem até Paranaguá cerca de 1.012.224 de toneladas de produtos.

Produtos

No cais paranaense, os principais produtos movimentados pelas ferrovias foram o açúcar (40%), soja (23%), milho (11%) e contêineres (9%). Além destes, destacam-se também farelos (7%), derivados de petróleo (6%) e fertilizantes (3%).

Lourenço Fregonese é diretor-presidente da Appa. Ele diz que integrar porto e ferrovia é fundamental para uma maior competitividade e eficiência nas operações dos clientes do porto. “Os trens oferecem regularidade no fluxo operacional e segurança no transporte”, destaca ele.

Potencial ferroviário

Para entender o impacto positivo que o modal ferroviário causa, um vagão é capaz de transportar 45 toneladas de produtos. Ou seja, cinco toneladas a maios do que um modal rodoviário.

Sem contar que são necessários 1.500 vagões para carregar um navio. Para a mesma quantidade, são necessários 1.800 veículos para carregar um caminhão. Além disso, são necessários 1.500 vagões para carregar um navio. Já o número de caminhões para carregar a mesma quantidade é de 1.800 veículos.

Em Paranaguá, o trem consegue encostar muito próximo dos navios e também da área retro portuária, onde os produtos são armazenados e estocados.

A operação logística por meio da ferrovia é a melhor opção, pois na soma dos custos logísticos com o transporte da carga, o valor pode ficar de 10% a 20% menor pela ferrovia.

De acordo com o diretor de Operações da Appa, Luiz Teixeira Júnior, a capacidade do Porto é para descarga férrea de 32 milhões de toneladas/ano, o que equivale a 1785 vagões por dia ou 89.250 toneladas/dia. “Atualmente Paranaguá conta com 70 quilômetros de linhas férreas, sendo 7,5 quilômetros instalados no Corredor de Exportação do Porto”, informa Teixeira.

Fonte: Portos e Navios

Equipe LMX

Veja também:

Fisco de SP mira operação em armazém geral