Açu quer escoar produção de Minas Gerais

O Porto do Açu, no Rio de Janeiro, quer ser o principal elo entre o mercado internacional e Minas Gerais. Para isso, trabalha na aproximação com entidades, lideranças empresariais e representantes do governo estadual. Trabalhando o estreitamento de laços e troca de experiências. O objetivo é atrair negócios e operações mineiras para o Terminal Multicargas (T-Mult). Com isso, o empreendimento pode ser a principal solução portuária para as indústrias do Estado.

Em relação ao escoamento de produtos, o porto está localizado no município de São João da Barra, no Norte Fluminense. Ele também possui acesso às principais rodovias e conexão com trechos ferroviários contemplados no Plano de Logística do governo federal.

Privado

O Porto do Açu é 100% privado. Conta com uma área total de 130 quilômetros quadrados, nove terminais divididos em áreas offshore e onshore, além de área para a instalação de unidades de empresas dos setores marítimo e industrial.

Alcançou, no ano passado, a quarta posição em volumes de minério de ferro exportados por terminais privados. Tem capacidade de movimentar 26,5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. E também 1,2 milhão de barris de petróleo por dia. Já o Terminal Multicargas possui profundidade de 14,5 metros e 500 metros de cais e capacidade de movimentar 4 milhões de toneladas por ano de granéis sólidos e carga geral.

Ao todo, mais de 2,4 mil embarcações acessaram o porto em 2017, 155% a mais do que em 2016. O porto já soma 3 quilômetros de cais em operação, com possibilidade de expansão para até 17 quilômetros.

Considerando os investimentos realizados desde 2007, quando foi idealizado, já foram aplicados cerca de R$ 12,4 bilhões no empreendimento como um todo. Desse montante, R$ 6,4 bilhões foram investidos pela Porto do Açu Operações (subsidiária da Prumo Logística), e R$ 3,7 bilhões pela Ferroport e pela Anglo American. O restante foi aplicado pelas empresas que construíram e operam unidades no local.

Agora, terá início um projeto de R$ 7 bilhões, que visa o desenvolvimento do maior parque termelétrico da América Latina. Trata-se do projeto da Gás Natural Açu (GNA), que conta com as empresas Siemens, BP e Prumo Logística como parceiras. O negócio consiste em um contrato de aluguel de área para a construção de termelétricas e de um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL).

Fonte: Portos e Navios

Equipe LMX

Veja também: 

Logística reversa: projeto coleta 80 toneladas de vidro em um mês no DF