Nova tabela do frete mínimo vai incluir reajuste de 13% do diesel

O governo está em alerta porque alas do movimento estão convocando uma manifestação em frente à sede da ANTT no próximo dia 12.

Depois de boatos sobre uma nova paralisação dos caminhoneiros, o governo decidiu acelerar o atendimento de dois pedidos da categoria. São eles: corrigir a tabela de preços mínimos do frete rodoviário e colocar fiscais nas estradas para verificar seu cumprimento. Os detalhes foram discutidos na segunda-feira (3) numa reunião entre técnicos da ANTT e do Ministério dos Transportes.

A nova tabela, com efeitos do reajuste de 13% no preço do diesel anunciado na sexta-feira (31), deverá sair até quarta-feira (5). A expectativa é que ela seja homologada na reunião desta terça da diretoria da ANTT.

A perspectiva de uma correção imediata da tabela conteve, ao menos por ora, o ímpeto de uma nova paralisação. “O governo pode afirmar de forma peremptória que não acontecerá uma nova greve”, disse o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Diretrizes

Na mesma reunião, a agência vai discutir as diretrizes para a fiscalização do cumprimento da tabela. Alas do governo pressionam para que o trabalho comece esta semana. No entanto, a área técnica informa que os fiscais não podem multar sem base numa regulamentação específica para isso. Essas regras ainda não existem. Sua elaboração está em curso, mas é um processo demorado. Pelo andamento normal, será finalizado só em dezembro.

Na segunda, ficou acertado que o rito será acelerado ao máximo. O governo está em alerta porque alas do movimento estão convocando uma manifestação em frente à sede da ANTT no próximo dia 12 para cobrar a fiscalização. Antes do aumento do diesel, a falta dela era a principal queixa da categoria.

“Se a ANTT fizer a parte dela, não haverá paralisação”, disse Alexandre Fróes, do Sindicato dos Transportadores Autônomos (Sinditac) de Santa Catarina. “Só depende deles.” Ele acrescentou que as lideranças dos caminhoneiros não estão organizando paralisação. “Caso isso ocorra, vão ser casos isolados”, assegurou. Mas a manifestação para pressionar a ANTT pela fiscalização está mantida, informou. “Eles (a ANTT) têm até o dia 12 para estar funcionando”, disse Wallace Landim, o “Chorão”.

Fonte: Diário de Pernambuco

Equipe LMX

Veja também:

“Painel 2018” discute infraestrutura brasileira e eficiência logística

Após semana com preço estável, Petrobras volta a baixar gasolina

A Petrobras anunciou a redução no preço da gasolina comercializada em suas refinarias, a partir desta terça (24). O combustível será vendido por R$ 1,9426 por litro. Este valor é 0,94% menor que o cobrado desde o último reajuste, que aconteceu em 18 de julho.

A estatal mantinha o preço do litro da gasolina em R$ 1,9611 desde o dia 18 de julho.

Depois de chegar a R$ 2,0527 por litro no dia 12 de julho, o combustível teve quatro reduções de preço. E agora voltou a um patamar semelhante ao registrado em 30 de junho, quando era comercializado a R$ 1,9486.

Diesel

O diesel segue congelado em R$ 2,0316, em decorrência de acordo do governo com os caminhoneiros para encerrar a greve de maio. Desde o ano passado, o sistema de formação de preços de combustíveis da Petrobras prevê reajustes quase diários.  Estes são referenciados no mercado internacional de petróleo e no câmbio.

Fonte: Agência Brasil

Equipe LMX

Veja também:

14º Seminário Logismat focará os temas da logística e do universo 4.0